2017/06/01

2017/05/15

A prova que eu não percebo nada disto...

É que o puto lá ganhou. 
Este fim de semana foi em grande. O meu Benfica ganhou o campeonato de Futebol e de Vólei e o Papa veio a Fátima. 

Mas a grande e mais agradável vitória foi mesmo a do Salvador. Estava na casa de amigos com esposa amada e começámos a ver, quando o puto actuou, malta a chorar na assistência. E também moças com ar de "comia-te todo". Foi aí que, pela primeira vez, me veio à cabeça o pensamento de que poderíamos ganhar. Mas afastei-o logo com um "não sejas parvo, sabe lá esta malta o que é música". Mas o que é certo é que sabem mesmo. E o Salvador conseguiu 700 e tal pontos, quase 200 a mais que a Bulgária e perto do dobro dos pontos do terceiro classificado. Foi uma vitória inequívoca. E à medida que os "12" iam chegando, a minha alegria ia aumentando.

Depois dos resultados, o puto começou a dar entrevistas a tudo o que mexia e, em todas, demostrava um humor cortante mas genial e uma simplicidade e à vontade desconcertantes. Relembro com carinho que ele entrou no ídolos na edição mais forte que recordo (a do Filipe Pinto, da Diana e do Carlos Costa) e que já aí ele tinha dito que, acima de tudo, o que ele gostava era de música e de ser feliz a cantá-la. Cá dos meus, este puto.

Parabéns Salvador. Viva Portugal! E Viva a música.
(Que me perdoe o Armando Carvalhêda)